segunda-feira, 22 de abril de 2019

Beholder Cego #18

Após um grande atraso, enfim a edição #18 da Beholder Cego ficou pronta. Esta edição conta com apenas uma aventura pronta, já que ela ficou maior do que eu esperava e não queria atrasar mais ainda. Nesta edição você encontra:

O Saqueador de Charadas: conheça um dos vilões mais icônicos de Allansia e algumas dicas sobre como inseri-lo em Tormenta.

Está Vivo! Está Vivo!: regras para que o mestre crie golens diferentes do padrão em Tormenta RPG -- e, de quebra, regras para personagens jogadores que querem criar seus próprios golens.

Olha aí, Freguesia!: usando as regras de negócios, algumas sugestões sobre como descrever as estatísticas de um estabelecimento.

Os Escolhidos das Chamas: a aventura continua. Segunda e última parte da aventura iniciada na BC#17.

Encontro Aleatório: um encontro diferente, sem monstros e sem combate -- ora de desafiar os jogadores, não os personagens!

sábado, 13 de abril de 2019

Tormenta 20


Neste ano, Tormenta, o maior e mais jogado cenário de RPG nacional, completa 20 anos de publicação. E as comemorações começam agora, no mês de abril, quando a Jambô Editora e os autores de Tormenta lançam a campanha Tormenta 20.

Tormenta 20 é a nova edição do RPG mais amado do Brasil, com regras modernizadas e mais dinâmicas, descrição atualizada do cenário e uma nova abordagem para criação de personagens, aventuras e campanhas. Um livro básico ideal para jogadores iniciantes e ao mesmo tempo uma grande celebração para os fãs de Tormenta! Tormenta 20 renova o jogo e se mantém compatível com todo o material lançado anteriormente sob o selo Tormenta RPG.

A campanha será lançada na plataforma de financiamento coletivo Catarse no dia 10 de maio e vai oferecer ao leitor e fã a oportunidade de participar desta edição estrondosa na história do RPG. Os colaboradores poderão dar suas opiniões sobre o novo sistema, terão seu nome para sempre no livro Tormenta 20 e receberão recompensas e promoções exclusivas durante a campanha.

A Jambô Editora não vai apenas fazer um livro comemorativo. Com a ajuda dos leitores e fãs que tornaram Tormenta o cenário nacional mais jogado da história do RPG no Brasil, vai lançar o mais impressionante livro básico do RPG nacional. Tudo com os fãs, pelos fãs, para os fãs.

Mais detalhes da nova edição, mudanças no cenário, opções de jogo e novidades em geral da campanha poderão ser encontrados futuramente na página www.tormenta20.com.br (que por enquanto permite o cadastro para receber as novidades do lançamento),  além do site da Jambô Editora. A revista Dragão Brasil trará prévias exclusivas das novas mecânicas de regras, classes, raças e muito mais.

Com Tormenta 20, o ano de 2019 ficará na história do RPG nacional como “O Ano de Tormenta”!

sábado, 23 de março de 2019

Divulgação: Medalha dos Deuses - Kallyadranoch

Há algum tempo a Jambô Editora criou uma nova série de produtos ligados ao maior cenário de RPG do Brasil: as Medalhas dos Deuses, chaveiros metálicos com os símbolos dos deuses do Panteão artoniano. Já foram criadas medalhas de Tenebra, Deusa das Trevas, Vallkaria, Deusa da Humanidade, Lin-Wu, Deus-Dragão de Tamu-ra e Khalmyr, Deus da Justiça. E o próximo será ninguém menos do que Kallyadranoch, o Deus dos Dragões.

Antigamente conhecido apenas como O Terceiro, Kallyadranoch havia sido punido pelos outros deuses junto de Valkaria e Tillian por um crime cometido no passado -- crime este que culminou na origem da Tormenta, a maior ameaça ao mundo atual! Apagado da existência, Kallyadranoch permaneceu um mistério por centenas de anos, até seu retorno ao Panteão durante os eventos narrados no romance O Terceiro Deus.

Fique atento ao site da Jambô Editora para novidades sobre as Medalhas dos Deuses.

sábado, 16 de março de 2019

Divulgação: Sem Trégua Vol. 4

Um dos primeiros cenários explorados pela Jambô Editora, Reinos de Ferro chegou inicialmente ao Brasil como um suplemento para o Sistema d20 com as aventuras que compõem a Trilogia do Fogo das Bruxas. Mais tarde, o cenário foi explorado mais a fundo, com o lançamento do Livro Básico, o Guia do Mundo e o Guia de Personagens, além de três volumes de Sem Trégua, uma compilação das matérias da revista americana No Quarter, com material de suporte ao cenário. Para quem não conhece, Reinos de Ferro é um cenário de RPG que mistura fantasia e tecnologia. Aqui a clássica magia divide espaço com as máquinas a vapor, pólvora e aço.

Ainda em março a Jambô Editora traz Sem Trégua Vol. 4, um novo suplemento para os Reinos de Ferro. Serão doze artigos que oferecem suporte para mestres e jogadores. Novos equipamentos e regras para aquisição e manutenção de gigantes de ferro; um guia para a região de Wexmere e informações sobre a Ocupação Orgoth, os mistérios da Convergência Cyriss; regras para clérigos da Deusa das Engrenagens. Para completar, o suplemento terá ainda a aventura Espírito de Aço.

Sem Trégua Vol. 4 terá 80 páginas coloridas (formato 12 x 28 cm), capa cartão e o preço deve girar em torno de R$ 49,90. Visite o site da Jambô Editora para novidades e informações sobre o pré-venda.

quinta-feira, 14 de março de 2019

Noite da Tormenta: o que está por vir...

Ontem, 14 de março, ocorreu na Nerdz, em Porto Alegre, a Noite da Tormenta, um evento aberto ao público RPGista com a participação dos principais autores do cenário Tormenta: Guilherme Dei Svaldi, J.M. Trevisan, Karen Soarele, Leonel Caldela, Marcelo Cassaro e Rogério Saladino. Por mais de três horas os autores conversaram com os fãs, responderam a várias perguntas e autografaram toneladas de livros. Tinha dúvidas se conseguiria comparecer, mas consegui: estava lá no fundo, quietinho, apenas observando, tirando fotos e fazendo várias anotações (já explico o porquê). Foi uma longa e divertida conversa recheada de piadas e brincadeiras... e com algumas pequenas revelações sobre o que esperar de Tormenta daqui para frente!


Da esquerda para a direita: Guilherme Dei Svaldi, Karen Soarele, J.M. Trevisan, Marcelo Cassaro, Leonel Caldela e Rogério Saladino.
Antes de qualquer coisa, gostaria de agradecer à Jambô Editora e a Nerdz por propiciar essa oportunidade aos fãs de Tormenta. Eu, particularmente, interagi pouco com o pessoal, mais pela minha personalidade “bicho-do-mato” do que qualquer outra coisa, pois todos foram muito receptivos. O Leonel e o Guilherme já me eram velhos conhecidos, já havia tido a oportunidade de trocar uma ou duas palavras com o Trevisan, mas com os demais havia me relacionado no máximo através de e-mails e olhe lá, então foi bom pelo menos conhece-los. Mas mesmo que eu tenha me mantido quietinho no canto (como eu disse, minha personalidade “bicho-do-mato”), a alegria e empolgação dos demais fãs era palpável. Lembro que quando começaram as perguntas, o primeiro a falar foi um rapaz que estava pouco atrás de mim e deu para perceber claramente o quanto ele estava nervoso e feliz pela oportunidade de conversar com eles. Então novamente, obrigado Jambô Editora e Nerdz por propiciarem essa oportunidade, não apenas a mim, mas a todos os fãs porto-alegrenses.

Dito isso, vamos ao mais importante. Como eu disse, fiz várias anotações durante o evento, pois várias pequenas revelações foram feitas sobre o que esperar de Tormenta em 2019.

No site da Jambô Editora você pode ver o cronograma de lançamentos da editora para 2019. Se prestar atenção, contudo, vai perceber que com exceção das medalhas dos deuses, não há nenhum título de Tormenta na lista. E isso tem um motivo: este ano o cenário mais jogado do Brasil completa 20 anos e os autores e a editora estão preparando muita novidade para 2019. No máximo até abril (talvez ainda esse mês) a editora pretende revelar o que será a novidade de aniversário do cenário, qual será a comemoração – por isso fiquem atentos ao site e às redes de divulgação da editora para novidades. E fiquem atentos à hashtag #tormenta20 – essa será a hashtag oficial dos 20 anos de Tormenta.

Lembra do Guia da Trilogia? Um suplemento que apresentava a Trilogia Tormenta (O Inimigo do Mundo, O Crânio e o Corvo e O Terceiro Deus, todos escritos por Leonel Caldela) em regras para Tormenta RPG? Pois bem, A Flecha de Fogo, novo romance do Leonel, contará com um suplemento parecido. Parecido, mas também diferente. Segundo as informações, o tal suplemento (que ainda não tem título) será menos focado em regras e mais em cenário – mais algo como um suplemento sobre Lamnor do que uma adaptação de fichas e regras. O próprio Leonel admitiu já ter meia dúzia de rabiscos no celular, mas não há nada concreto. Embora esse suplemento esteja nos planos, não deve ser algo para breve.

Regras, aliás, não parecem ser o foco central dos próximos títulos de Tormenta. Ficou bem claro para mim que neste momento os autores estão muito mais preocupados com o que chamaram de lore do cenário do que com regras. Tormenta cresceu, se moveu, muita coisa aconteceu nestes últimos anos. Não é mais um cenário estático, mas um mundo vivo em constante mudança – heróis e vilões morreram, novos heróis e novos vilões surgiram, guerras foram travadas, coroas foram partidas... O suplemento O Reinado, um dos maiores suplementos a descrever Tormenta em termos de cenário e praticamente sem regras, está hoje muito ultrapassado – e isso não passou despercebido. Novidades nesse sentido devem surgir em breve.

A hora dos autógrafos.Outra coisa que mencionada ao longo do evento foi uma sugestão de que Lucas Borne, autor do Manual do Arcano, Manual do Malandro e O Labirinto de Tapista, “poderia ou não” estar trabalhando em material relacionado a Doherimm, o reino dos anões. Não foram divulgadas informações mais detalhadas, mas eu esperaria por material sobre o reino subterrâneo em breve.

Quem acompanha a Dragão Brasil já deve ter ouvido falar sobre as “regras 2.0”, um conjunto de regras alternativas para TRPG sugeridas pelo Guilherme Svaldi. Quando tais regras foram mencionadas muitos dos autores parecerem... desconcertados. Pelas brincadeiras e sugestões, eu diria para os fãs ficarem espertos, pois regras alternativas ou uma atualização na mecânica de algumas regras pode estar se aproximando. Particularmente sou sempre resistente a mudança de regras; com relação àquelas que foram divulgadas até o momento, a maioria acho legal, exceto pela de Pontos de Magia para todas as classes. Já falei um pouco sobre isso na postagem sobre Império de Jade, mas a verdade é que não gostei muito das raças e classes 2.0 divulgadas na DB. Já as mudanças nas perícias e nas magias, achei ótimo. Mas é uma questão de opinião, talvez nem vire regra oficial, talvez acabe se tornando apenas uma regra variante. Teremos que esperar e ver o que vai acontecer... mas eu esperaria por algo em breve.

Algumas perguntas dos fãs geraram respostas evasivas . Quando perguntados se material sobre o Deserto da Perdição estava nos planos, a resposta foi apenas um Sim – seguido de risadas e brincadeiras, claro. Também houve perguntas relacionadas à tempestade rubra – se a Tormenta conseguiria se tornar um deus maior no cenário. Também gerou respostas evasivas. Baseado nessas respostas e em outros pequenos comentários ao longo da conversa, bem como algumas revelações rápidas e vagas na Dragão Brasil, somado à clara preocupação dos autores com o lore (a parte descritiva do cenário, sem regras) comecei a fazer algumas suposições.

Minha primeira suposição é de que em breve podemos ver publicado mais um velho suplemento prometido, mas nunca concluído: Além do Reinado. Não sei se este era um título oficial ou inventado por fãs, mas o fato é que um suplemento semelhante a O Reinado, mas descrevendo as regiões fora da coalizão de reinos fazia parte dos planos dos autores há muito tempo, mas acabou nunca saindo. Baseado em tudo o que ouvi ontem e tudo o que tenho lido (incluindo uma notícia na Gazeta do Reinado sobre aventureiros explorando a região norte de Arton), começo a ter esperanças de vê-lo publicado, ao lado de uma revisão d’O Reinado. Claro que hoje seria necessário que tais suplementos tivessem outros títulos: hoje a região civilizada de Arton é dividida em três coalizões – o Reinado, o Império de Tauron e a Liga Independente. Portanto, os nomes O Reinado e Além do Reinado perderiam sentido – Guia do Mundo (Civilizado e Selvagem, talvez?) ou Atlas Artoniano (volumes 1, 2, 3, etc.) são nomes que me agradariam mais.

Outra coisa que me deixou com a pulga atrás da orelha foram as respostas evasivas sobre a tempestade rubra. Desde o fim da Trilogia Tormenta, os lefeu, habitantes da Tormenta, têm permanecido quietos, sem se envolver nos grandes eventos que tem ocorrido em Arton. Essa característica do cenário deixou de ser explorada. Isso me deixou tão encucado que me incentivou a desenvolver aqui na Beholder uma série de aventuras focadas na tempestade rubra (aventuras essas que você acompanha desde a BC#14). Porém, baseado em tudo o que ouvir e na reação dos autores, algo me diz que os lefeu não permanecerão quietos por muito tempo...

Quem teve o prazer de acompanhar as publicações mais recentes da Jambô Editora deve ter percebido que dois dos seus últimos lançamentos – Império de Jade e Reinos de Moreania – vieram totalmente em cores. Como editor-chefe da Jambô, Guilherme Svaldi deixou claro que novos títulos de peso com tal padrão de qualidade estão nos planos da editora, bem como títulos menores, mais enxutos, mais baratos e de acesso mais fácil aos fãs de menor poder aquisitivo. Me pergunto se está nos planos lançar o mesmo título em duas versões, uma mais simples, resumida e barata e outra mais completa e elegante. Não acho provável... mas quem sabe?

Em resumo, a Noite da Tormenta foi um evento divertido e cheio de novidades. Ficou claro que os autores não pretendem deixar os 20 anos de Tormenta passar em branco. Os fãs que gostam de Tormenta como cenário de fantasia mais do que como cenário de RPG (ou seja, gostam da parte descritiva) terão muitos motivos para ficar felizes, pois essa parece ser uma das partes mais em foco nas próximas publicações. Muita coisa está sendo desenvolvida e muita novidade interessante está por vir.


Momento fã no final do evento: Leonel Caldela, J.M. Trevisan, Marcelo Cassaro, eu mesmo, Rogério Saladino, Guilherme Dei Svaldi e Karen Soarele.Arton cresce a cada instante nas mãos de seus autores e nada vai deter esse crescimento – nem mesmo tiro no peito! E que assim seja! Que Arton cresça, que novidades venham, que Tormenta seja reconhecido e invada todos os meios de entretenimento – quem sabe uma série ou filme num futuro distante? Porque não? Quem poderia imaginar que um anexo de 80 páginas lá na Dragão Brasil #50 viria a dar origem a quadrinhos, mangás, romances, jogo eletrônico...! De minha parte, torço para que um dia o J.M. Trevisan possa fazer seus “X” em uma lousa e que possamos todos um dia encontrar em uma lojinha uma caixa de bonecos piratas com o Wolverine, o Homem-Aranha, o Batman... e o Mestre Arsenal!

Vida longa à Tormenta!

Fiquem atentos ao site da Jambô Editora para novidades em breve e lembre-se de procurar pela hashtag #tormenta20.

terça-feira, 12 de março de 2019

Divulgação: Novo Selo Odisseias

 Clique para acessar o site do Selo OdisseiasQual RPGista nunca pensou em escrever um livro ou romance, mas esbarrou nas dificuldades de publicação? Se você alguma vez já pensou nisso, saiba que agora você tem uma alternativa que deixa tudo mais fácil. A Jambô Editora acaba de inaugurar seu novo selo Odisseias, que tem por objetivo ajudar o autor brasileiro de literatura fantástica a entrar no mercado literário ou aumentar sua visibilidade.

O selo Odisseias trabalha com a modalidade de autopublicação -- ou seja, o autor precisará fazer um investimento financeiro para o lançamento do título. Contudo, o selo encurta o caminho e simplifica muita coisa para o autor, já que a Jambô Editora fica responsável por uma série de trâmites legais e ainda dá uma ajuda na divulgação e venda do livro, sem falar na questão prática de editoração e montagem do título e dicas e sugestões para melhorar seu material. Os princípios do selo são qualidade editorial, transparência e sustentabilidade financeira e o processo de publicação é planejado de forma que o autor tenha lucro com seu trabalho.

O selo Odisseias publica conteúdo original de literatura fantástica e similares, com destaque para fantasia, ficção histórica, ficção científica, terror, romance e policial. O projeto é encabeçado pela Karen Soarele, escritora, autora do romance A Joia da Alma e fundadora do portal Papo de Autor, e Guilherme Dei Svaldi, editor-chefe da Jambô Editora e autor de vários títulos de Tormenta. Perceba que o selo trabalha apenas com conteúdo original -- portanto, nada de usar algum cenário famoso (como Tormenta) para ambientar sua estória.

Para mais informações, veja o vídeo de apresentação do selo e visite a página do selo Odisseias.

sábado, 9 de março de 2019

Resenha: Império de Jade


Por muitos anos o título Império de Jade foi uma piada de 1º de abril. Em 2018, porém, os fãs de Tormenta finalmente foram agraciados em este novo suplemento inteiramente voltado para a ilha de Tamu-ra. Mas diferente dos demais títulos do cenário, IdJ não é apenas um suplemento para o Tormenta RPG: trata-se de um novo módulo básico com todas as regras para se jogar RPG. Ou seja, você não precisa ter o TRPG para jogar Império de Jade.

Assim como seu jogo irmão, IdJ segue a Open Game License (OGL) e, por isso, é compatível com outros jogos que utilizem o Sistema d20. Apesar disso, IdJ também possui uma série de particularidades, várias regras especialmente desenvolvidas para este novo sistema: não há magia, há jutsus; não há tendência, há Honra; aqui você não encontra anões, elfos e halflings, mas hengeyoukais, mashins e vanara, além de outras raças ligadas à cultura oriental. E o clima oriental não está apenas no visual, nas raças e classes, mas por toda parte. Termos de origem asiática (ou pelo menos inspirados nela) são usados a todo o momento: aqui os aventureiros são sentai, os humanoides selvagens são bakemono, os estrangeiros são gaijin, a taverna é izakaya e os companheiros do grupo são nakama. Há um glossário em uma das páginas iniciais – quem não está muito acostumado, vai precisar recorrer a ele com frequência durante a leitura (como eu).

Já se passou algum tempo desde o lançamento de Império de Jade, mas só agora consegui terminar de ler e escrever sobre ele. Aqui vão algumas das missões impressões sobre o título.

Visual Geral

Uma das primeiras coisas a se destacar sobre IdJ é a beleza de sua arte interna, inteiramente em cores. Sim, diferente de TRPG, o livro é completamente colorido. Há várias ilustrações que são velhas conhecidas dos leitores da Dragão Brasil, mas também tem muita coisa nova. A organização dos capítulos também é um pouco diferente daquela vista no Módulo Básico de TRPG. As regras de habilidades básicas, raças, classes e características gerais do personagem estão todas no capítulo um; perícias e talentos também são apresentadas em conjunto, no capítulo dois; o resto segue parecido ao jogo-irmão: equipamentos no capítulo três, jutsus no capítulo quatro, combates e testes no capítulo cinco, regras para o mestre no capítulo seis, um bestiário no capítulo sete e recompensas no capítulo oito. O capítulo nove é puramente descritivo, apresentando em mais detalhes parte do cenário.

Durante a leitura não lembro de ter encontrado grandes problemas de edição ou grafia – coisa que geralmente me deixa bastante chateado. Lembro de ter sentido falta de um mapa mais detalhado da ilha, onde fosse possível acessar informações rápidas. Por exemplo, o mapa da página 11 mostra os principais locais da ilha, mas apenas olhando para o mapa e sua legenda você não tem como saber com certeza onde fica o Norte Branco ou a Grande Estepe, já que no mapa aparecem apenas os nomes tamuranianos destes locais – Shirokita e Dai’Soogen, respectivamente. Tudo bem, alguns são presumíveis (o Norte Branco é a área branca do mapa e a Grande Estepe algum lugar próximo), mas usar os termos em português na legenda poderia ajudar.

Cenário

Localizada no canto nordeste de Arton, a ilha de Tamu-ra foi o primeiro lugar devastado pela Tormenta, a tempestade rubra que assola o cenário de Tormenta RPG. Após 15 anos sob o domínio da Tormenta, a ilha foi finalmente libertada por Orion Drake e um exército de deuses menores. Nos anos seguintes, a ilha lentamente voltou a ser repovoada por seus antigos habitantes, mas somente agora o Império de Jade começa a restaurar sua plenitude.

Embora haja menção aos povos do Reinado em algumas partes do livro, IdJ é focado na cultura tamuraniana. Logo na introdução há uma História Parcial descrevendo os principais eventos transcorridos na ilha e no mundo, sob o olhar da cultura tamuraniana. Em alguns pontos é muito interessante descobrir como os tamuranianos veem certos eventos globais. Por exemplo, a maioria dos artonianos crê que Azgher e Tenebra lutaram entre si, milhões de anos atrás, e acabaram dividindo Arton em doze horas de dia e doze horas de noite. Os tamuranianos tem uma visão diferente sobre esse evento: para eles o príncipe Tai’Yang e a princesa Yumeno, membros da Família Celestial (falarei dela em seguida), teriam se apaixonado, mas foram condenados por Lin-Wu a viver eternamente afastados, um existindo durante o dia e o outro durante a noite. Assim os tamuranianos explicam o mesmo evento de uma maneira diferente. O mesmo ocorre em outros momentos históricos do cenário.

Por falar em Lin-Wu e a Família Celestial, a religião é outro ponto interessante em IdJ. Ao invés de um Panteão de 20 deuses maiores, os tamuranianos acreditam em apenas três religiões. O culto a Lin-Wu, o único e verdadeiro deus, é a religião mais difundida. Mas embora considerem o Deus-Dragão como um soberano, os tamuranianos sabem que ele não é o único deus no universo. Ao lado de Lin-Wu temos a Família Celestial, composta por vários deuses e deusas, irmãos e irmãs de Lin-Wu. Em IdJ a Família Celestial é quase como uma religião menor, quase como os deuses menores do restante de Arton: reconhecidos e às vezes venerados, com ainda assim de menor influência. Por fim, temos o Bushintau, uma religião que crê que todas as coisas no mundo possuem um espírito – tanto coisas vivas quanto coisas não vivas! Tamuranianos podem se dedicar a qualquer destas três religiões, mas crer em uma não implica obrigatoriamente em renegar a outra. É claro, muitos são mais devotados a esta ou àquela crença – mas todo tamuraniano reconhece a supremacia de Lin-Wu.

Naturalmente, IdJ traz uma descrição geral de todas as regiões de Tamu-ra. Embora a maior parte da ilha tenha sido devastada pela Tormenta, muito já foi reconstruído e há oportunidades de aventuras por todos os lados. Exceto pela nova capital, Shinkyo, descrita em detalhes no capítulo final, as demais regiões de Tamu-ra são apresentadas de maneira generalizada, deixando muita coisa em aberto para que o mestre crie aquilo que desejar.

Com relação ao cenário, me desagradou um pouco a falta de algumas explicações mais detalhadas. Na minha cabeça, toda a ilha de Tamu-ra foi devastada pela Tormenta; enquanto lia, às vezes eu tinha a impressão de que houveram regiões da ilha que permaneceram intocadas pela tempestade, outras vezes parecia que meu pensamento original (de que a Tormenta tomou “toda” a ilha) era mais correta. Creio mais na segunda hipótese. Outra questão que senti falta foi uma resposta clara para a pergunta “Onde estavam todas estas novas raças e criaturas durante o domínio da Tormenta?”. Porque nunca se viu nenhum vanara, mashin ou nezumi em Arton? Onde eles estavam durante o domínio da Tormenta? Em alguns casos pode-se presumir que tais criaturas estavam escondidas no próprio Reinado, confundidos com membros de outras raças, ou mesmo abrigados nos reinos dos deuses (como os hengeokai, que já tinha aparecido no suplemento Mundo dos Deuses). Mas em outros casos, tudo fica muito subjetivo. Enfim, esperava algo mais concreto. Mas mais uma vez, a explicação pode ter sido deixada em aberto para que mestre e jogadores tivessem maior liberdade de criação.

Regras

Apesar das semelhanças nas regras, IdJ é também muito diferente de TRPG. Algumas diferenças são muito sutis. Por exemplo, em TRPG um personagem recebe um novo talento a cada nível ímpar e um ponto de habilidade em cada nível par; já em IdJ um personagem recebe um talento ou um ponto de habilidade a cada nível (ou seja, um personagem não-humano de IdJ poderia não ter nenhum talento, escolhendo sempre pontos de habilidade). Outro exemplo é a abolição do bônus de metade do nível no dano dos ataques (particularmente não gostei muito dessa escolha; algumas simulações me levam a crer que isso acabará tornando os combates mais demorados). Mas há também algumas diferenças mais complexas e, em alguns casos, um pouco confusas para quem está acostumado ao TRPG.

Império de Jade não tem regras para tendência. Na cultura tamuraniana, a Honra é mais importante do que conceitos como bondade, maldade, ordem e caos. Em IdJ, Honra é uma nova habilidade básica que pode aumentar ou diminuir bastante ao longo do jogo e afeta uma série de habilidades de classe e talentos. A Honra também substitui os Pontos de Ação, ausentes em IdJ. Gostei da mecânica, mas confesso que às vezes será difícil lembrar quais ações e fatores podem representar uma violação de honra – a lista é realmente enorme! Até usar certas perícias é considerada uma violação de honra e pode causar penalidades à esta nova habilidade. Tornar-se multiclasse também pode ser considerado uma violação de honra – o que me fez levantar a questão sobre como funcionarão as prováveis classes de prestígio a surgirem para esse sistema...

Desde sempre o Sistema d20 tem utilizado uma regra de “usos diários” para limitar o uso de certas habilidades. Por exemplo, em TRPG o bárbaro pode usar sua habilidade Fúria um certo número de vezes por dia, de acordo com seu nível; o paladino pode usar Cura pelas Mãos um número de vezes por dia determinado por seu Carisma; entre tantas outras habilidades. Em IdJ essa regra foi abandonada – ao invés de usos diários, todos os personagens possuem Pontos de Magia e cada habilidade possui um custo em PM. Até mesmo alguns talentos, que antes podiam ser usados um certo número de vezes por dia ou com certas limitações, agora exigem o uso de PM. Isso torna o uso das habilidades mais fácil, já que todas utilizam o mesmo “combustível”, bastando saber qual o custo de uso da habilidade. Já tinha pensado em algo do tipo, mas nunca consegui me decidir sobre como fazer. Sempre achei que usar o mesmo “combustível” para tudo seria algo simplista demais, mas para IdJ funcionou muito bem. Neste jogo todos os personagens podem ter poderes especiais e sobrenaturais e todos estes poderes tem basicamente a mesma origem – um tipo de energia interna, algo como o ki ou o chi dos bons e velhos animes. Então porque não usar a mesma medida para todos os feitos sobrenaturais? Assim, os personagens usam Pontos de Magia tanto para realizar manobras especiais quando para jutsus. Em TRPG esse tipo de padronização não me agrada muito, já que lá os poderes podem ter origens diferentes. Imagine um guerreiro de 15º nível que adquire um nível de mago; se tanto as manobras de guerreiro quanto as magias de mago utilizam Pontos de Magia, então esse guerreiro que recém começou a trilhar o caminho do arcano já começa com um arsenal absurdo de magias para conjurar. Eu consideraria, no mínimo, estranho. Mas enfim, é só a minha opinião...

Outro grande diferencial de IdJ é a total ausência de magia neste novo sistema, habilmente substituída pelos jutsus. Jutsus são manobras especiais e sobrenaturais que podem ser aprendidas por qualquer personagem! Ao contrário da magia, que é exclusiva de determinadas classes, os jutsus estão disponíveis para todas as classes de IdJ. Claro, há classes que tem maior facilidade em usar jutsus de determinados tipos, mas qualquer personagem de 3º nível ou superior pode adquirir o talento Abrir Chacra e, a partir de então, realizar jutsus associados àquele chacra.

Algumas regras sobre a aquisição de jutsus ainda são confusas para mim. Shinkan, shugenja e wu-jen são consideradas classes conjuradoras. Lendo atentamente, porém, apenas o wu-jen tem uma habilidade de classe que permite abrir um dos chacras para realizar jutsus; shinkan e shugenja também tem acesso a jutsus desde o 1º nível, mas não há regras que falem sobre “abrir chacras” – ao invés disso, eles apenas aprendem um certo número de jutsus de determinado tipo. Ainda não está claro, para mim, se isso é a mesma coisa ou não.

Também achei um pouco confusa as regras de aprimoramentos de jutsus. Cada jutsu tem um funcionamento básico, mas por um custo maior em PM é possível aprimorá-lo, aumentando ou modificando seus efeitos. Além disso, existem também os talentos de aprimoramento, que também modificam os jutsus por um custo adicional em PM – mas você precisa ter o talento para ser capaz de usá-lo. Talentos de aprimoramento são o equivalente aos talentos metamágicos de TRPG. Confesso que o uso do mesmo termo para as duas mecânicas me confundiu um pouco no início; usar um termo diferente para uma delas (aperfeiçoamento ou melhoramento, por exemplo) poderia ajudar a evitar a confusão, tornando a regra mais clara. Mas enfim, depois que se entende a mecânica, percebe-se que a ideia é muito boa e permite “personalizar” seus jutsus.

Outra regra que me agradou foi a maneira como como IdJ lida com companheiros animais. Em TRPG um companheiro animal era um PdM com estatísticas completas. Infelizmente, às vezes acontecia do mestre e o jogador esquecerem do companheiro, que acabava virando apenas um efeito estético. Outras vezes, o companheiro era lembrado, mas acabava sendo apenas um complicador, um personagem adicional para agir na rodada, deixando o combate mais lento. IdJ simplificou o uso de companheiro animal transformando-o em um aliado, um personagem que não age como PdM, mas confere um bônus ao PJ. As regras são muito parecidas àquelas já apresentadas na Dragão Brasil #126 e que já foram exploradas em algumas aventuras aqui na Beholder.

Conclusão

Embora ainda seja, essencialmente, um jogo OGLImpério de Jade traz várias particularidades que fazem dele um sistema novo. Ainda não tive a oportunidade de efetivamente jogar neste novo sistema, mas espero poder fazê-lo em breve – assim como pretendo explorar o sistema nas páginas da Beholder Cego logo, logo. Mesmo não concordando com algumas das mudanças, acho que de maneira geral o sistema está muito bom. Algumas mecânicas de regras abrem margem para interpretações contraditórias, principalmente com relação aos jutsus, e vão exigir mais atenção do mestre, mas nada que estrague a diversão.

Império de Jade é um jogo sobre heróis honrados, lutadores habilidosos e poderes sobrenaturais. Não é apenas sobre debulhar monstros (embora possa seguir esse rumo também), mas sobre defender a honra e a dignidade e ajudar na restauração de um povo judiado pela Tormenta. A compatibilidade entre IdJ e TRPG vai exigir certa habilidade do mestre, mas abre um novo leque de possibilidades. Vale a pena conhecer.

Visite o o site da Jambô Editora e adquira o seu.

sábado, 16 de fevereiro de 2019

O Antro da Serpente

 Clique para fazer download da aventura
Lembra dos Mapas de Batalha que falei aqui na Beholder há algumas semanas? Eu havia dito que tinha planos de criar uma aventura que utilizasse os mapas. Nas últimas semanas optei por dar um tempo na produção da BC#18 (já que acabei sofrendo um certo bloqueio criativo, que espero estar se desfazendo) e resolvi escrever a tal aventura prometida.

O Antro da Serpente é uma aventura para personagens de 1º nível de Tormenta RPG que utiliza os Mapas de Batalha lançados há pouco pela Jambô Editora. Com um enredo simples, mas muitas oportunidades de interpretação e com a possibilidade de ampliá-lo, a aventura leva os heróis até o covil de cultistas malignos e os coloca frente-a-frente com uma das grandes ameaças de Arton -- os sszzaazitas, servos de Sszzaas, Deus da Traição.

A aventura foi projetada para ser utilizada em conjunto aos Mapas de Batalha, mas também pode ser utilizada sem eles. Entretanto, é importante destacar que a aventura não apresenta o mapa completo do covil sszzaazita, apenas pedaços das câmaras com imagens sobre a posição de criaturas e objetos. Para obter o mapa completo você precisará ter o Mapa de Batalha em mãos. Se não tiver acesso ao mapa, você também pode criar sua própria versão do covil, adaptando e modificando a aventura. Mas convenhamos: a grande diversão está justamente em usar o mapa e as miniaturas!

Clique na capa da aventura para fazer download do arquivo em pdf. Você pode adquirir os Mapas de Batalha no site da Jambô Editora.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Reinos de Moreania já disponível

Eu sei que para muitos isso é notícia antiga, mas com a correria de final de ano, para alguns pode ter passado despercebido Já está disponível para venda o suplemento Reinos de Moreania, para Tormenta RPG, terra dos famosos moreau, uma raça de animais humanoides que chegou a Arton em anos recentes.

Quem acompanha o cenário RPGístico há mais de 10 anos deve conhecer a história. Após uma série de conflitos pessoais os autores originais do cenário Tormenta, J.M Trevisan, Marcelo Cassaro e Rogério Saladino, decidiram abandonar a editora onde trabalhavam e na qual haviam criado este que é hoje o mais famoso cenário de fantasia do Brasil. Juntos dos irmãos Wendel (Marcelo e Ricardo), responsáveis pela antiga revista d20 Saga, criaram a nova revista de RPG Dragonslayer. Como a "propriedade" do cenário Tormenta ainda estava complicada (teoricamente a antiga editora ainda tinha direitos sobre o cenário), os novos autores decidiram criar um novo cenário. Assim surgiram os Reinos de Moreania, o cenário oficial da Dragonslayer. A tal editora onde o Trio Tormenta trabalhava faliu, Tormenta ganhou uma nova casa (a Jambô Editora) e os autores originais puderam voltar a trabalhar em Arton. E assim, os Reinos de Moreania acabaram sendo incorporados ao cenário.

Embora muitos moreau viessem a aparecer em material de Tormenta RPG -- como Sir Pelvas, o cão que cavalga no Guia da Trilogia e a raça moreau no Manual das Raças -- os reinos em si nunca mais tinham sido explorados. Até agora. Agora como um suplemento para TRPG, Reinos de Moreania traz descrições do arquipélago que compõem os reinos junto de novas opções para mestres e jogadores. Ainda não tive a oportunidade de ver o livro, mas são 128 páginas coloridas e se as ilustrações internas seguirem o padrão da capa ou o que já vi em Império de Jade, com certeza será de tirar o fôlego!

Visite o site da Jambô Editora e adquira o seu.

sábado, 26 de janeiro de 2019

A Flecha de Fogo: primeiras impressões

Primeiramente, para quem ainda não sabe, A Flecha de Fogo é o mais novo romance de literatura fantástica ambientado no mundo de Arton, cenário de Tormenta. Escrito por Leonel Caldela, mesmo autor da aclamada Trilogia da Tormenta (O Inimigo do Mundo, O Crânio e o Corvo e O Terceiro Deus) e publicado pela Jambô Editora, o título tem mais de 700 páginas e trata de uma das profecias mais famosas do cenário, que prevê o surgimento, ascensão e queda de Twor Ironfist, o General da Aliança Negra dos Goblinóides.

Ainda não terminei de ler o livro. Concluí somente a primeira parte, Profecia. Mesmo assim decidi colocar aqui minhas primeiras impressões sobre o título, para não deixar passar mais um final de semana sem atualização no blog.

A primeira coisa a se dizer sobre A Flecha de Fogo é seu tamanho. Com 730 páginas (incluindo o apêndice), é o maior título lançado para Tormenta até agora. Devo dizer que embora seja algo impressionante, o tamanho torna a leitura um pouco incômoda, já que faz dele um livro pesado e volumoso e dependendo da situação, difícil de manusear. O romance é sub-dividido em três grandes partes (Profecia, Império e Eclipse) e no início me perguntava se não valia a pena ter dividido estas partes em três livros distintos. Mas a verdade é que Império é bem mais extenso que os demais, e não existe um "final" do término de cada parte; muita coisa fica em aberto. Além disso, produzir três livros ao invés de um encareceria o processo como um todo, e nós leitores teríamos que gastar bem mais para ter acesso à crônica completa. Então no fim, acho que foi melhor assim.

A diagramação do livro está muito boa, belas imagens ilustrando pontos chave do volume. A revisão também está legal; geralmente sou bem chato com erros gramaticais e de concordância, mas não lembro de ter visto nada de muito destaque (eles existem, mas são muito poucos e não atrapalham a leitura). Uma coisa me desagradou. Em alguns pontos haviam linhas nas quais todos os espaços entre as palavras pareciam ter sido apagados, fazendo com que toda a linha se transformasse em uma gigantesca palavra formada pela junção de várias palavras. Em uma ocasião, lembro que tive que parar e ler com bastante calma para identificar as palavras individualmente. Fiquei com medo que isso se tornasse corriqueiro ao longo do livro... mas ocorreu umas duas ou três vezes nos primeiros capítulos, depois não vi acontecer de novo. Acredito que tenha sido algum problema durante a edição...

Agora vamos ao que interessa, a narrativa. A primeira grande diferença entre A Flecha de Fogo e a Trilogia da Tormenta é a maneira como a estória é narrada. Na Trilogia, a estória é contada na terceira pessoa, o "livro" conta o que está acontecendo. Já n'A Flecha de Fogo a estória é contada sob a perspectiva de um personagem, o jovem acólito Corben, membro da ordem de Astrólogos de Thyatis de Sternachten. Quem acompanha a Dragão Brasil já teve a oportunidade de conhecer essa cidade na edição #137 (quem não acompanha, pode clicar no link para assinar; o primeiro nível custa só R$ 7,00 ao mês). Enfim, o que importa é que Corben logo se vê envolvido e viajando com um grupo de aventureiros que se intitula a Ordem do Último Escudo, os últimos protetores contra a Aliança Negra. O problema é que o jovem passou por uma situação conturbada e não sabe muito o que aconteceu. Nem sequer tem certeza se seus novos aliados são realmente "aliados"! E este é um ponto alto desta primeira parte. Caldela transmite as incertezas e dúvidas do personagem com tanta maestria que é difícil não ficar agoniado a cada página, incerto sobre quem é amigo e quem é inimigo.

Outro ponto alto é o ajuste das pontas soltas. Não lembro bem onde li isso, mas uma das propostas do Leonel era não ignorar várias das pontas soltas sobre o tema da profecia da flecha de fogo. Uma delas esta lá, logo na primeira parte. Em meados dos anos 2000, na extinta Revista Tormenta, J.M. Trevisan publicou o conto O Cerco (que mais recentemente também fez parte da antologia de contos Crônicas da Tormenta). Na época o conto era apresentado como "as primeiras revelações sobre a Flecha de Fogo". Entre os personagens do conto estavam o elfo Thalin e uma menina élfica de cabelos vermelhos (que na época não tinha nome, se me lembro bem). O conto sugeria que a menina élfica poderia ser a flecha de fogo que derrotaria Twor Ironfist. Muito mais tarde li em algum lugar (ou ouvi dele mesmo, não lembro) que o próprio Trevisan se arrependeu daquela resolução e queria que as pessoas esquecessem o conto, que o ignorassem. Mas os fãs não queriam ignorar. Era uma ponta solta, uma possível explicação para a profecia. E não foi ignorado pelo Leonel. Thalin e Laessalya (a menina élfica de cabelos vermelhos) estão no enredo de A Flecha de Fogo. Acredito que outras pontas soltas deste tipo ainda podem aparecer nas próximas páginas (ainda espero ver alguma menção a Lariandhas Arianathanor, o arqueiro arcano que, segundo lendas, voltará dos mortos e dispara-rá a flecha de fogo).

E o que dizer do paladino Avran Darholt, líder da Ordem do Último Escudo? Difícil falar dele sem dar spoiler, mas eu diria que ele é, no mínimo, curioso. Um personagem envolto em suspense, um paladino completamente fora do padrão. Ainda tenho muitas ressalvas com relação a ele e espero que seja desenvolvido em mais detalhes nas próximas páginas.

Por enquanto é isso o que tenho a dizer sobre o romance. Fãs de Tormenta, leiam, sem sombra de dúvida. Fãs de fantasia em geral, também vale a pena; a narrativa é muito boa e envolvente e o cenário bastante rico. E se você não conhece Tormenta, não se preocupe, pois boa parte da estória ocorre em Lamnor, o continente ao sul, região que mesmo os fãs conhecem pouco.

E boa leitura.

Ficha Técnica
Gênero: Fantasia.
Autor: Leonel Caldela.
Formato: 15,5 x 23 cm, 736 páginas, brochura.
A Flecha de Fogo pode ser adquirida pelo site da Jambô Editora. E a cada R$ 50,00 em compras pelo site você ganha um brinde; não se esqueça de incluir seu Artefato no carrinho de compras.

sábado, 5 de janeiro de 2019

Divulgação: Mapas de Batalha e Calendário-Cubo

Entre os vários elementos que dão suporte aos jogos de RPG, um dos que tenho tentado explorar bastante nesta nova fase da Beholder Cego é o uso de miniaturas. Já tivemos um artigo publicado sobre o uso de miniaturas na BC#15, a aventura A Maldição da Tumba que acompanhava um mapa em tamanho A2 e miniaturas de papel para uso da aventura na BC#16, além da série Dungeon Tiles, com várias peças para serem impressas e usadas com miniaturas. Então imaginem minha surpresa e alegria quando a Jambô Editora anunciou o lançamento de seus Mapas de Batalha!

Lançado como um acessório para Tormenta RPG e outros jogos que utilizam miniaturas da mesma escala (praticamente todos os jogos que usam o Sistema d20 ou alguma variante, como Pathfinder, Old Dragon e o próprio D&D), Mapas de Batalha inclui dois pôsteres coloridos de 84 x 56 cm cada com um total de quatro cenários para uso de miniaturas. Dois deles são bastante genéricos, podem ser utilizados para rolar rapidamente um encontro aleatório em uma floresta, por exemplo (e sim, já está em meus planos utilizá-los em alguma futura publicação da Beholder Cego); os outros dois apresentam um complexo de cavernas e um pequeno forte. Estes dois últimos não são tão genéricos, já que mostram um cenário relativamente fixo -- mas se o mestre quiser pode rolar uma aventura inteira só com eles (sim, isso também está nos meus planos, mas para mais adiante).

Essa semana tive o prazer de receber esse material em casa, junto do romance A Flecha de Fogo e o Calendário-Cubo (do qual vou falar logo em seguida). Devo dizer que todo o material me agradou bastante (ok, ainda não li A Flecha de Fogo, mas duvido que o Leonel me decepcione). Os Mapas de Batalha são impressos em papel couchê de 210g. Essa informação está lá na descrição do produto no site, mas talvez você nem saiba o que isso significa. Eu mesmo nem tinha prestado atenção nisso, mas devo dizer que a qualidade do papel me surpreendeu. Tenho outros mapas de batalha publicados por outras editoras e devo dizer que os Mapas de Batalha da Jambô são mais espessos e, por consequência, tendem a ser mais duráveis. Gostei bastante disso, e acredito que quem gosta de miniaturas também vai adorar.

Outro item que adorei e que veio junto essa semana foi o Calendário-Cubo. Para quem não sabe, o Calendário-Cubo é um dos Artefatos disponibilizados no site -- brindes que você pode incluir para qualquer compra no site a partir de R$ 50,00. Isso mesmo, você não paga nada por ele, só precisa incluí-lo no seu carrinho de compras. Ah é, e por favor não faça como esse que vos escreve, que esqueceu de incluir o artefato no carrinho e depois ficou todo perdido fazendo contato com a editora pedindo que incluíssem. Isso, aliás, foi outra coisa que me agradou. Entrei em contato pelo SAC da editora explicando o esquecimento e sobre como proceder. Um ou dois dias depois (e devo dizer que foi durante um final de semana, o que pode ter "atrasado" a resposta) o item foi incluído no meu pedido -- sem discussões ou complicações, problema resolvido.

Confesso que o Calendário-Cubo é um pouco menor do que eu tinha imaginado (na foto aqui nessa postagem ele aparece ao lado de uma das miniaturas da Jambô, que tem 32mm de altura). Mesmo assim, ele é muito bonito, também produzido em papel durável e bastante firme. Hoje ele faz parte da decoração da minha mesa no escritório, ao lado da minha caneca mágica do Mestre Yoda, presente da minha querida esposa.

Enfim, se você gosta de miniaturas, mas estava receoso quanto à adquirir os Mapa de Batalha, eu lhe diria que vale a pena. É um valor acessível e até barato, eu diria, para a qualidade do material (ora, são quatro mapas, menos de R$ 10,00 por mapa, num papel bem resistente). O Calendário-Cubo também é muito legal e bonito (uma gracinha, segundo minha esposa). Há outros Artefatos também, embora essa seja minha primeira aquisição. Os Mapas de Batalha, bem como todo o material da editora, podem ser comprados diretamente no site da Jambô.

PS: Nas fotos que acompanham essa postagem utilizei as miniaturas da própria Jambô, da Kimeron e algumas da antiga série D&D Miniatures. Clique nas imagens para aumentar.